As crianças que nascem com a Síndrome de Down apresentam, desde o nascimento, a hipotonia muscular que interfere no desenvolvimento normal do corpo. Essa flacidez excessiva acarreta uma dificuldade na sucção, respiração, deglutição, além de prejudicar o controle da cabeça e do tronco.

Ao nascer, os bebês apresentam um padrão flexor nos membros superiores e inferiores, e uma das características das crianças com Síndrome de Down é uma abdução anormal dos membros inferiores – movimento de abrir as pernas, que se não for evitada, pode dificultar as futuras habilidades.

A fisioterapia é uma ótima alternativa para estimular o bebê a desenvolver essas atividades, evitando complicações futuras.

Confira a seguir mais informações sobre como a fisioterapia pode ajudar na Síndrome de Down.

Importância da fisioterapia para a Síndrome de Down

Importância da fisioterapia para a Síndrome de Down

Perigos

O bebê que nasce com a síndrome de down precisa de alguns cuidados após o nascimento, assim como ao longo de seu desenvolvimento. Uma das características da síndrome é a hipotonia muscular, que consiste na falta de sustentação do corpo pelos bebês, e a frouxidão dos ligamentos.

Por isso, o bebê tende a manter uma postura mais relaxada, já que os seus músculos são menos tensionados e as articulações são mais frouxas.

Como a fisioterapia pode ajudar?

A fisioterapia pode ajudar muito, de forma bastante eficaz, para o desenvolvimento motor da criança, ajudando-a a movimentar-se de maneira correta e, ainda, no fortalecimento físico.

No entanto, o bebê só deve iniciar as atividades após a autorização do médico que acompanha o caso. No caso de crianças com Síndrome de Down que nascem com algum tipo de cardiopatia mais grave, qualquer exercício é contraindicado até que o problema seja tratado primeiro.

Se você busca por fisioterapeutas para tratar casos de Síndrome de Down, ou outros tipos de especialidades, contate-nos agora mesmo! Nós estamos sempre à disposição!

Importância da fisioterapia para a Síndrome de Down